A Gazeta do Povo não está interessada na saúde das pessoas trans

Uma matéria e entrevista com Eugenia Rodrigues neste jornal revelam a ignorância a respeito do método científico

Imagem: Unsplash.

Se vocês ainda duvidam da aliança entre reacionários bolsonaristas e feministas radicais é só olhar a entrevista que Eugenia Rodrigues deu para o Gazeta do Povo. Eugenia, da página “corpo certo”, milita contra as abordagens de afirmação de gênero, abordagens essas que sabemos por evidências na literatura científica serem as melhores abordagens para a saúde mental de pessoas trans.

Obviamente os comentaristas do Gazeta do Povo não sabem ler artigos científicos, não compreendendo as reais implicações das correções do artigo em questão, de autoria de Richard Bränström e John E. Pachankis, publicado no American Journal of Pshychiatry. Coincidentemente, já havia lido as correções a partir de uma publicação da Daniela Andrade e feito meus comentários, vou repostar aqui:

O artigo mencionado teve alguns problemas em relação às estatísticas e por isso não poderia concluir, como havia feito originalmente, que as cirurgias diminuíam os problemas de saúde mental nas pessoas trans. É um problema de metodologia científica, não podemos concluir algo a partir de dados com problemas. Mas o fato das estatísticas não permitirem que se conclua, nesta pesquisa em específico, que as alterações corporais resolveriam ou melhorariam os problemas ou condições relacionados a saúde mental de pessoas trans que passaram por elas obviamente não nos permite, por outro lado, concluir, como poderia parecer, que as cirurgias comprometem a saúde mental das pessoas trans. O fato das pessoas trans que realizam cirurgias de redesignação muitas vezes persistirem com problemas de saúde mental não quer dizer que as alterações corporais sejam os motivos dessa persistência, tampouco que as alterações corporais por si só agravaram problemas mentais pré-existentes, é preciso levar em consideração sobretudo o estresse de minoria que decorre das inúmeras situações de discriminações sociais para tecermos hipóteses a respeito da persistência destes problemas. Existe uma farta literatura científica no campo da saúde mental sobre modelos de estresse de minoria, incluindo especificamente para as pessoas trans. A correção do estudo não permite dizer em hipótese alguma que as abordagens de afirmação de gênero estariam abaladas, como alega o jornal.

Se esse jornal e essa comentarista de rede social estivessem realmente preocupados com as possíveis (e reais) formas como as cirurgias de redesignação poderiam ser prejudicais para pessoas trans eles deveriam, vejam só, abordar sobre o fato de que até 2018 as pessoas trans eram coagidas a passarem por cirurgias para terem acesso a retificação de documentos — pois apenas um juiz concedia a retificação, e os juízes estavam muito mais predispostos a permitir a retificação de documentos de pessoas trans que passaram por cirurgias. Injusto e desumano, não é?

Acreditar que o direito ao acesso a retificação de documentos poderia estar atrelado a realização de cirurgias é algo verdadeiramente preocupante para a saúde da população trans, pois neste caso efetivamente algumas pessoas estariam predispostas a se arrependerem dessas alterações, porque buscavam na verdade a retificação de seus documentos ao invés das cirurgias propriamente. Antes da decisão de 2018 do STF a comunidade trans lutava incansavelmente para que pessoas trans tivessem acesso a retificação de documentos sem requisitos médicos — sejam alterações corporais ou laudos psicológicos ou psiquiátricos. Felizmente conseguimos essa vitória.

Mas será que as mesmas Eugenias e Gazetas defendiam o acesso de retificação de documentos de travestis e pessoas trans que não querem ou não realizam cirurgias? É óbvio que não: essas pessoas jamais estiveram efetivamente preocupadas com pessoas trans, elas estão mais interessadas na eliminação espontânea ou apagamento das pessoas trans da sociedade. Essas pessoas não estão preocupadas com a prevalência de transtornos mentais na população para efetivamente buscar formas para melhorar a saúde mental de pessoas trans… elas citam esse fato com o objetivo de presumir que seria melhor que não existíssemos para início de conversa.

Eugenia alega ainda que as abordagens de afirmação de gênero causam arrependimentos — sem citar nenhuma fonte ou referência de qualquer estudo científico que endosse essa afirmação. É esse tipo de alegação, Eugenia, que designamos como irresponsabilidade. Por outro lado, é responsabilidade dos profissionais de saúde estarem atualizados a respeito das evidências sobre as melhores práticas de cuidado com a saúde da população trans e/ou de gênero diverso.

Para que as alegações de Eugenia fizessem algum sentido as abordagens de afirmação de gênero teriam que conceber as identidades trans como desfechos clínicos preferíveis em relação a ausência de transição para que de alguma forma esses jovens fossem coagidos ou constrangidos pelos profissionais de saúde a se assumirem como trans ou fazerem a transição de gênero. No entanto, simplesmente não é o que ocorre, porque a afirmação de gênero não é definida desta forma.

Segundo Hidalgo et al (2013, p. 286), em um modelo de cuidado afirmativo, é preconizado que as crianças tenham a oportunidade viver no gênero que seja mais real ou confortável para elas e expressar esse gênero sem sofrer restrições, difamação ou rejeição. Os autores ainda argumentam que os jovens que não têm permissão para essas liberdades por agentes dentro de seus sistemas de desenvolvimento (como a família, colegas, escola) correm o risco de estarem expostas a uma série de adversidades psicossociais, incluindo sintomas depressivos, baixa satisfação com a vida, automutilação, isolamento, falta de moradia, encarceramento, estresse pós-traumático, ideação e tentativas de suicídio.

Muitas vezes as abordagens afirmativas são retratadas equivocadamente como capazes de forçar ou impor a transição para crianças. Isto se trata de uma distorção, pois como bem pontuam Ashley e Baril (2018), o objetivo da terapia afirmativa de gênero não é a transição em si, mas sim “ouvir a criança e decifrar, com a ajuda dos pais ou cuidadores, o que a criança está comunicando sobre a identidade de gênero e a expressão de gênero”. Preconizar a possibilidade de uma criança expressar uma identidade trans não implica na adoção de uma perspectiva de cuidado com a saúde que preconizaria a identidade trans como um desfecho clínico mais desejável que outra identidade.

É muito flagrante também a matéria citar o relato de uma psicóloga carioca que prefere não ter o nome divulgado por medo de punição do Conselho Federal de Psicologia em função da Resolução 1º/2018 do CFP. Qual a razão de um psicólogo temer qualquer tipo de represália se não em virtude precisamente do fato dele… desrespeitar a resolução que visa estabelecer as melhores práticas psicológicas para usuários de saúde/clientes trans?

Há ainda na matéria uma estranha relação entre suicídio (ou risco aumentado de suicídio) e negação do acesso a alterações corporais. O jornal está dizendo que os ativistas trans estariam se baseando na ideia de que as alterações corporais sejam necessárias para que pessoas trans não se suicidem — para dar a entender que isso não seria verdade, ou de que seria uma estratégia emocional “baixa” dos “transativistas” para supostamente ludibriar ou convencer familiares de jovens trans incautos a respeito da importância da afirmação de gênero.

Digo estranha porque o fato das pessoas trans estarem mais predispostas ao suicídio não é de longe o único argumento usado para que pessoas trans tenham acesso a alterações corporais. De fato, as pessoas podem ter ideações suicidas que podem decorrer da disforia de gênero não tratada, mas as alterações corporais não se justificam apenas em função disto. As pessoas trans alteram seus corpos não para evitarem o suicídio somente, elas buscam alterações corporais porque tratam-se de procedimentos destinados a garantir o bem-estar das pessoas trans. Não ter ideações suicidas certamente faz parte de uma condição de bem estar psíquico, mas está longe de ser o único elemento da saúde física e mental de pessoas trans.

É preciso dizer algo elementar para a Gazeta do Povo: a demanda por alteração corporal de uma pessoa trans não deixa de ser legítima em função dela não ser suicida ou de não ter ideações suicidas. As abordagens de afirmação de gênero no cuidado com a saúde não estão corretas ou são superiores apenas porque efetivamente previnem o suicídio de jovens trans e de gênero diverso. Sem dúvidas a prevenção do suicídio é importante, mas as abordagens de afirmação de gênero são corretas porque elas são efetivamente melhores para o cuidado com a saúde como um todo, proporcionando as melhores maneiras de garantir o bem-estar da população trans ou de gênero diverso.

É muito flagrante também o jornal caracterizar as abordagens de afirmação de gênero em jovens trans e/ou de gênero diverso como “intervenções precoces e radicais”. O jornal diz ainda que caberia às famílias barrarem essas intervenções. Será mesmo? A noção de que o reconhecimento de uma identidade trans na infância ou adolescência é uma “intervenção”, seja precoce ou radical, precisa ser questionada. Como bem argumentou Ashley (2019, p. 228), essa descrição é em si mesma problematizada:

A maioria dos médicos assume que o ponto de partida clínico deve ser a ausência de transição, com o desvio desse ponto de partida exigindo justificativa. Em outras palavras, qualquer passo em direção à transição deve ser justificado, mostrando que a criança é suficientemente trans ou criativa de gênero (gender creative) para justificá-la. Sem justificativa, o padrão é ausência de transição. Essa suposição é baseada em uma organização social que centraliza as formas de ser cisgênero como o padrão. Em uma sociedade alternativa que usasse os pronomes de escolha da criança em qualquer dia, a ideia de alterar os pronomes como parte de uma transição social não seria vista como uma intervenção que deve ser justificada clinicamente; seria o padrão, o status quo e, em vez disso, desencorajar a transição social seria percebido como intervencionista.

Algumas pessoas poderiam então dizer que os bloqueadores de puberdade e terapias hormonais configurariam sim intervenções precoces no caso de jovens menores de idade. O grande problema destes comentários é minimizar o fato de que a ausência destas intervenções não é neutra ou sem implicações para a saúde das pessoas trans. Não é indiferente obrigar um jovem com disforia de gênero passar por anos por uma puberdade e níveis hormonais que irão produzir certas características físicas, algumas permanentes, e não outras. A ausência de intervenção neste caso produz também efeitos permanentes que são relevantes para a saúde e bem-estar das pessoas trans.

Isso poderia ser compreendido de forma diametralmente oposta caso meninos e meninas cisgêneros apresentassem níveis hormonais ou características físicas fora do padrão de gênero. Diríamos também, por exemplo, que o fato de uma menina cisgênera de 15 anos tomar uma pílula hormonal em função do excesso de pelos também seria uma intervenção precoce ou radical? Diríamos para um menino cisgênero de 15 anos com ginecomastia severa que ele deve simplesmente aceitar o seu corpo e o crescimento mamário ao invés de buscar intervenções cirúrgicas? É muito mais provável que os comentaristas que fazem parte do Gazeta do Povo, incluindo Eugenia, descrevam essas possíveis intervenções como simplesmente benéficas. Os dois pesos e duas medidas aqui mostram que o problema na verdade parece ser a identificação transgênera em jovens e crianças, ao invés das intervenções corporais por si mesmas.

Transfeminista e analista de discurso, pesquisa o campo de cuidado com a saúde e direitos coletivos para a população trans.

Transfeminista e analista de discurso, pesquisa o campo de cuidado com a saúde e direitos coletivos para a população trans.